Maricá reduz para quatro meses intervalo da dose de reforço contra a Covid-19 em pessoas acima de 18

A Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, passa a aplicar a partir desta terça-feira (21/12) a dose de reforço em maiores de 18 anos ou pessoas que tenham recebido a segunda dose ou dose única há pelo menos quatro meses. A medida também vale para uma dose extra aos imunossuprimidos que já tomaram dose de reforço.  A medida é uma recomendação do Ministério da Saúde e é uma estratégia para frear o avanço de novas variantes.

A secretária municipal de Saúde, Solange Oliveira, reforçou a importância de manter os cuidados durante as festividades.

“Nesta época em que costumamos nos reunir com a família e amigos devemos redobrar os cuidados de prevenção contra a Covid-19. Estamos no melhor momento da pandemia, com a vacinação adiantada e taxas de contaminação e internação bem baixas, mas ela ainda não acabou. Continue se cuidando e não deixe de tomar a segunda dose ou dose de reforço quando for a hora”, destacou.

População protegida

Maricá já alcançou 87% da população acima de 12 anos com as duas doses ou dose única, ou seja, mais de 123 mil pessoas. A primeira dose já foi aplicada em 127.822 pessoas, número que representa 90% da população. Além da dose de reforço e da quarta dose para os imunossuprimidos, o município segue aplicando a segunda dose, com intervalo reduzido para 21 dias na vacina da Pfizer e oito semanas para a AstraZeneca, e repescagem com a primeira dose para todos acima de 12 anos.

Quando e onde tomar a vacina

Dia: terça-feira (21/12) a quinta feira (23/12) e segunda (27/12) a quinta-feira (30/12)

Hora: Das 9h às 16h

Locais:

USF Central- Rua Clímaco Pereira, 241, Centro.

USF Jardim Atlântico- USF Jardim Atlântico- Rua 36, lote 01, quadra 206. Loteamento Jardim Atlântico, Itaipuaçu.

USF Chácaras de Inoã- Rodovia Amaral Peixoto, km 16. (ao lado do Polo Mania), Inoã.

USF Marinelândia- Rua Nove, Quadra 15, Cordeirinho.

USF Barroco- Rua Getúlio Vargas (antiga Rua 2), lote 13, quadra 4, casa 2, Itaipuaçu.

USF Mumbuca- Rua Hipólito de Abreu Rangel, s/n.

USF Ponta Negra- Alcebiades Teodoro Pereira, s/n.

USF São José 2- Estrada da Cachocheira, s/n, São José do Imbassaí.

USF Inoã 2- Rodovia Amaral Peixoto, km 14, s/n, (ao lado do DPO).

USF Barra- Rua Ênani Manoel Soares, s/n, Barra de Maricá.

USF Ponta Grossa- Rua Irineu Ferreira Pinto, s/n

Documentos necessários para vacinação

Para a primeira dose, os adultos precisam apresentar um documento de identidade com foto, CPF e comprovante de residência. Já os adolescentes devem levar documento de identidade ou certidão de nascimento. Para a segunda dose é necessário, também, o comprovante de vacinação.

Para a dose de reforço, os maiores de 18 anos devem apresentar um documento de identificação com foto, CPF e os comprovantes de vacinação e residência. Idosos acamados e pessoas com dificuldade severa de locomoção podem agendar a vacinação em casa. Basta entrar em contato com a unidade de saúde de referência.

Já para a dose extra, os imunossuprimidos acima de 18 anos precisam dos mesmos documentos, além de um laudo médico atualizado comprovando a condição de saúde. Poderão se vacinar pessoas com imunodeficiência primária grave, em tratamento de quimioterapia, transplantados de órgão sólido ou de células tronco, pessoas vivendo com HIV/Aids com CD4 <200 céls/mm3; pacientes em hemodiálise ou com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas (reumatológicas, autoinflamatórias, doenças intestinais inflamatórias).

Também estão na lista as pessoas que fazem uso de corticoides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias ou uso de drogas modificadoras da resposta imune, conforme lista abaixo:

Metotrexato; Leflunomida; Micofenalato de mofetila; Azatiprina; Ciclofosfamida; Ciclosporina; Tacrolimus; 6-mercaptopurina; Biologicos em geral (infliximabe, etanececept, humira, Adalimumabe, Tocilizumabe, Canakinumabe, Golimumabe, Certolizumabe, Abatacepte, Secukinumabe, Ustekinumabe); Indicadores da JAK (Tofacitinibe, Baracitinibe e Upadacitinibe).

Comentário